segunda-feira, 8 de junho de 2015

E se percebêssemos que as pessoas e os momentos são passageiros?


Existem pessoas que desejamos que nunca se afastem da nossa vida ( nem no tempo, nem no espaço). Vivemos momentos que desejaríamos que perdurassem para sempre. No entanto, deveríamos ter sempre a consciência de que: os momentos são passageiros e as pessoas saem das nossas vidas; que, mesmo que seja apenas porque no Universo tudo se transforma, poucas pessoas permanecem na nossa vida para o todo sempre e quase nínguem permanece de igual modo desde sempre. Crescemos e afastamo-nos dos nossos pais, deixamos os amigos de brincadeiras de infância, os apaixonados secretos, o primeiro amor que talvez nunca tenha sabido que foi o primeiro amor, os colegas de jardim, a professora da primeira classe. Coisas que não voltam mais!
A teoria de que as pessaos saem das nossas vidas para dar lugar a outras que trazem algo de novo e quem sabe de melhor, parece ser boa, mas será? O que sabemos é que elas saem e, por isso, os momentos vividos não se repetem. Só por isso, deveriamos tirar o “proveito” das pessoas “de boa alma” que cruzam os nossos caminhos e dos momentos que nos proporcionam. Mesmo que não saiam das nossas vidas os momentos são diferentes e cada momento deveria ser “aproveitado” como se fosse o único e último.

Paula Ribeiro