segunda-feira, 13 de julho de 2015

Carta Anónima


As vezes, é difícil acreditar que o que sinto por ti é real.
Por vezes, desejo que tudo isso passe, que este sentimento não seja real….
Outras vezes e ao mesmo tempo tenho medo que seja apenas uma fantasia.
O que sinto por ti parece tão profundo, que seria chocante descobrir que afinal não é nada…
Em princípio já deveria ter passado…
Este sentimento parece demasiado para ser verdadeiro. Demasiado para ser bem sucedido e ao mesmo tempo demasiado para ficar em vão, demasiado para não ser vivido na sua plenitude.
Por isso, o desespero também acompanha este sentimento. Não um desespero de um desesperado, mas um desespero racional que deseja continuar a ser racional.Um desespero racional que tem a consciência de que só a irracionalidade lhe permitia viver este sentimento de uma forma verdadeira, se este for verdadeiro, e na sua plenitude.
Era preciso ser irracional para matar essa sede…. Mas a razão sente medo de saciar esta sede.
Existem muitas coisas que se podem fazer em função deste sentimento, que este não pode ser usado apenas para matar uma sede, que não pode ser apenas uma fantasia, uma imagem do seria o verdadeiro amor.


Paula Ribeiro