segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Temp!?

Temp!?
Djam pedil pa pasa
Djam pedil pal tchiga
Djam pedil pal para
As ves al ta trazé alegria…
As ves al ta trazé dor…
El mé ku as ves i dimas
Ctheu hora nem al ka ta tchiga
Lembra temp as ves ta kria soriso na kant boca
Ma tcheu ves al ta dixa lagrima na odjo

Temp,
Espedjo di fadjas y conquistas!
Djam fazé kel kum ka ta fazé mas…
Nka fazé kel kum kria e kel  kum debia fazeba
Ma inda restam algum temp … nkre pal ser midjor ku kel k dja pasa!
Nu tem puder sobre temp!
Puder di faze del  kel ku nu kre
Ma temp ta pedi conta!
Al ta cura ferida mas al ka ta paga cicatris!
Pasa temp ta desejá skece temp concertesa y ka midjor forma di pasa temp.

Paula Ribeiro

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Mapas e Setas para o Futuro


A vida poderia ser muito mais fácil, se tivéssemos um mapa com umas setas a indicar os caminhos certos a seguir. Aposto que todos os pais ficariam felizes, se pudessem evitar que os filhos andassem pelos caminhos errados com buracos e que, por isso, às vezes os tropeços e os ferimentos são inevitáveis. Porém, para já, há que duvidar da eficácia destes mapas e destas setas, porque na vida real, por vezes, perdemo-nos nas estradas bem sinalizadas e mesmo com mapa e GPS. A finalidade dos mapas e das setas da vida seria, provavelmente, facilitar as nossas vidas, mas será que gostamos da vida facilitada? Quem nunca, depois de alcançar um certo objectivo, descobriu que haveria via mais fácil e igualmente tida como “certa” para alcançar este mesmo objectivo? Quem nunca pegou num pequeno problema e o tornou num grande? Talvez não seja mau de todo não ter um mapa e umas setas a nos indicar o caminho.
 Qual seria a piada, se não pudéssemos descobrir por mérito próprio (ainda que sempre com ajuda de outros) os nossos caminhos? E como é que se encarava a vida, se já soubéssemos onde é que nos levariam as setas?

Paula Ribeiro