segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Causa oficial da morte: Mal de amor



Quando alguém se apaixona, supõe-se (idealiza-se) que seja para sempre, ainda que não exista nenhum plano maduro para sustentar “o para sempre” Porém, às vezes somos confrontados com uma outra realidade. Descobrimos que a probabilidade de ser para sempre é remota. Descobrimos que a pessoa por quem estamos apaixonados não está apaixonada ou deixou de estar apaixonada por nós. A paixão não correspondida é uma grande decepção, faz de nós miseráveis, abaixo de um cão, faz-nos até questionar sobre nós mesmos, mas e daí?
Oficialmente, parece que ninguém nunca terá morrido do mal de amor/paixão e para além disso ninguém nunca garantiu que o facto de estarmos apaixonados dá direito absoluto a ter um apaixonado.


Paula Ribeiro